Pele com rosácea pode fazer peeling? Dermatologista explica e indica métodos alternativos para o tratamento

Quem tem pele com rosácea sabe que, além da vermelhidão constante, outro problema enfrentado é a alta sensibilidade do rosto não só aos raios solares, mas, também, a alguns tratamentos estéticos mais intensos. É por isso que, na hora de escolher por procedimentos como o peeling, a dermatologista Mariana Marteleto alerta que é preciso ter cautela.

Segundo a médica, o paciente com rosácea costuma não tolerar compostos químicos que a maioria dos pacientes utiliza, mas existem algumas exceções - e opções - de substituição desse método por alternativas menos irritantes à derme. Continue lendo a matéria e entenda mais sobre o assunto com a ajuda da especialista.

Rosácea deixa pele mais sensível a procedimentos estéticos 

O motivo dos pacientes com rosácea nem sempre aceitarem muito bem o tratamento com peeling está nos ativos usados pelo procedimento para renovar a derme. De acordo com Mariana, o problema está no uso do ácido retinoico ou hidroquinona, que são compostos mais "irritantes" e estão na composição dos peelings convencionais para tratar a pele.

Ainda assim, vale reforçar que isso não é uma regra. "É bom lembrar que nem todas as pessoas com rosácea não toleram peeling. Já tive pacientes desse tipo que, a princípio, tolerariam peelings com esses compostos", relata a médica.

Saiba quais são as alternativas para substituir o peeling convencional

Outro detalhe importante e que deve ser lembrado é que, ainda que o peeling seja um dos tratamentos mais conhecidos para se livrar de manchas e estimular o rejuvenescimento cutâneo, ele não é a única opção possível. Especialmente para peles com rosácea, que são mais sensíveis do que o comum, existem alguns caminhos alternativos na hora de se livrar das manchinhas e da acne. 

Laser com luz pulsada: conhecido por ser um método bem menos agressivo, a especialista explica que esse procedimento ajuda na produção de colágeno e também reduz as manchinhas no rosto. "Ele dá um viço bonito na pele e diminui os vasinhos que causam a vermelhidão nos pacientes com rosácea", detalha Mariana.

Peeling de ácido glicólico: como mais uma alternativa para substituir o tratamento com ácidos e clareadores convencionais, a médica lembra de um outro tipo de peeling, que usa o acido glicólico. Esse componente é menos agressivo para peles com rosácea e, por isso, tende a irritar menos a derme.

Procure um dermatologista para escolher o melhor tratamento 

Ainda que existam opções paliativas - e que, na prática, nem toda pele com rosácea é realmente contraindicada para o peeling tradicional -, vale reforçar que a decisão pelo melhor método cabe apenas ao especialista. Portanto, antes de começar o tratamento de pele, procure um dermatologista de sua confiança e faça um acompanhamento de perto para que ele descubra qual é a melhor alternativa para o seu caso.

 

Matéria publicada em 28 de fevereiro 2021, por Webedia.