Grávidas podem pintar o cabelo?

Procedimentos químicos como tinturas e alisamentos são agressivos em qualquer período da vida, mas na gravidez é necessário cuidado redobrado. Apesar de não existirem pesquisas que confirmem se esses tratamentos podem prejudicar a gestação, os médicos são unânimes em indicar colorações só a partir do segundo trimestre e com ressalvas sobre aplicação.

Cuidados maiores no primeiro trimestre

O maior perigo para as grávidas é a absorção de substâncias, como conta a dermatologista Cynthia Meyrelles: "nesses procedimentos existe presença de grande quantidade de metais pesados que podem atravessar facilmente a barreira placentária e causar distúrbios na formação, principalmente durante o primeiro trimestre, quando o feto está em desenvolvimento inicial", explicou.

O ideal para as futuras mamães é evitar químicas pesadas de tintas permanentes, alisamentos e tratamentos à base de amônia ou outros elementos danosos como o tioglicolato. Para manter a cor do cabelo, o mais indicado é usar tonalizantes sem amônia e henna em períodos mais espaçados ou investir em luzes e descolorações aplicadas longe da raiz, como as mechas californianas. O cuidado precisa ser levado até o período da amamentação, porque as substâncias pesadas também podem causar intoxicação no bebê.

Hidratações, chapinha e secadores estão liberados

 

Apesar da cautela com alguns procedimentos, hidratações mais potentes como as à base de queratina estão liberadas, mas é preciso tomar cuidado com reações alérgicas porque o sistema imunológico feminino costuma ser mais suscetível no período da gravidez. Chapinha e secador também estão liberados durante a gestação e na amamentação.

Matéria publicada em 13 de Abril de 2021, por Webedia.