Repelente em creme ou spray: saiba as diferenças entre os dois produtos e escolha a melhor opção

As diferentes versões do mesmo produto deixam uma dúvida no ar: será que existe aquele que seria o melhor repelente para todos os tipos de pele? Para esse pergunta, os especialistas garantem: tanto os repelentes em creme, spray e até em gel são igualmente eficientes desde que tenham o ingrediente ativo certo - no entanto, pode ser que uma versão específica atenda melhor em situações diferentes ou necessidades para o dia a dia. Confira mais sobre o assunto e entenda como escolher o repelente ideal para a sua rotina!

Repelente em creme, gel ou spray funcionam da mesma forma em todas as versões

Segundo orientações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e da Organização Mundial da Saúde, a principal recomendação é garantir que o produto contenha DEET, IR3535 ou icaridina - que seriam as substâncias comprovadamente eficientes na proteção da pele contra os insetos.

Assim, depois de conferir a fórmula do produto e encontrar um desses ingredientes, é só escolher o tipo sem medo de errar: seja em gel, spray ou creme, todas as versões do repelente protegem o corpo com a mesma eficácia, não deixando que os mosquitos se atraiam pela pele humana.

Produtos com repelente em creme podem ter multifunções de proteção solar e hidratante

Em geral, é possível notar que as versões em spray são bem práticas e preferidas daqueles com muitos pelos nos braços e pernas ou, então, presença de maior oleosidade em pontos específicos da pele do corpo - o que não é muito comum. De qualquer forma, os repelentes em creme não perdem no quesito praticidade, viu? E muito por conta das multifunções que podem apresentar.

Há, por exemplo, a possibilidade de aliar protetor solar e repelente na mesma fórmula, o que já facilita o dia a dia com um produto a menos na rotina de cuidados. Além disso, versões em creme são mais hidratantes e dão a sensação de toque aveludado ao entrarem em contato com a região exposta.

A quantidade e reaplicação do produto são o que definem a eficácia do repelente na pele

É importante ressaltar que, mais do que a consistência do repelente usado na pele, outro fator realmente decisivo na hora de proteger-se de picadas e doenças transmitidas por mosquitos é usar a quantidade certa do produto nas aplicações, além de respeitar a frequência correta de reaplicação.

Não custa lembrar, portanto, que a dose deve ser generosa na medida certa - e nas versões em creme, por exemplo, segue medidas parecidas com a do protetor solar: duas colheres de chá do protetor com repelente para colo e costas, uma colher de chá para cada braço, perna e pé. Quanto a reaplicação, é válido reforçar a dose cada duas horas e, em praias e piscinas, sempre assim que o corpo se secar dos mergulhos.

Matéria publicada em 7 de Março 2021, por Webedia.