Programa "Para Mulheres na Ciência" de L'Oréal oferece prêmio para incentivar pesquisadoras do sexo feminino

As coisas já mudaram muito de algum tempo para cá, mas mesmo que agora as mulheres possam ser cientistas, os holofotes ainda estão mais voltados para os pesquisadores do sexo masculino. Pensando nisso L’Oréal Brasil promove desde 2006, em parceria com a UNESCO BRASIL e com a Academia Brasileira de Ciências, o Programa “Para Mulheres na Ciência”. Comemorando 10 anos de realização, o evento aconteceu no palácio Guanabara, no Rio de Janeiro, e premiou 7 jovens pesquisadoras com uma bolsa-auxílio de US$ 20 mil. Confira um pouco mais sobre essa inciativa que valoriza o poder e a capacidade do sexo feminino.

Mulheres representam apenas 30% dos cientistas no mundo

O presidente de L’Oréal Brasil, Didier Tisserand, estava presente no evento e explicou o que move a marca a fazer uma premiação desse tipo: "o mundo da ciência tem maioria masculina, apenas 10% de cargos importantes no mundo da ciência são de mulheres", revelou o executivo ao Beleza Extraordinária, que ainda citou uma frase que faz parte da história desse prêmio: "o mundo precisa de ciência e a ciência precisa de mulheres”, disse. Didier falou ainda que a expectativa da premiação é impactar a sociedade: "esse evento é para encorajar cada vez mais jovens mulheres a entrar nesse mundo da ciência", contou.

Programa “Para Mulheres na Ciência” dá o que as cientistas mais precisam: visibilidade

A bolsa de US$ 20 mil  que as 7 premiadas receberam vai ser ótima para dar prosseguimento às pesquisas, mas o maior valor que elas receberam é outro: "embora a maioria dos alunos de pós-graduação, mestrado e doutorado sejam mulheres, as chefias ainda são homens e quem tem visibilidade é o chefe, é o principal pesquisador. Esse prêmio muda isso colocando em destaque o nosso trabalho", contou Tábita Hunemeier.

Uma das vencedoras na categoria "Ciências da Vida", Alline Campos explicou melhor como funciona esse incentivo: "ciência não tem gênero, mas falta oportunidade e esse prêmio dá visibilidade para a gente. Se você gera oportunidade para que as mulheres apareçam, você mostra que a gente é igual", contou a cientista, que fez questão de agradecer: "esse incentivo é uma coisa incrível e a gente parabeniza e agradece a L'Oréal por nos dar oportunidade de aproximar as nossas ideias da sociedade", disse.

Segundo a ganhadora Eliza  Brietzke, o prêmio tem um alcance que vai muito além das 7 ganhadoras: "ele acaba valorizando uma geração de mulheres cientistas dizendo para elas que o que elas fazem pode ser reconhecido como relevante, é capaz de melhorar a vida da humanidade", contou.

Premiação desperta o interesse de meninas e jovens mulheres para a ciência

Todos esses holofotes voltados para mulheres brilhantes é um esforço de L'Oréal para atingir quem ainda nem está pensando em uma profissão:  "uma menina curiosa, que gosta de descobrir coisas, vai gostar de ciência, então se ela tem um exemplo bem perto, é muito mais fácil", contou Tábita, que demonstrou sua animação com todo esse movimento: "o prêmio é um grande reconhecimento na sociedade, as pessoas estão vendo o que eu estou fazendo. Quem está pensando em começar talvez se motive, talvez tenha interesse de trabalhar com algo parecido ou talvez simplesmente veja que é uma boa profissão", disse.

Confira aqui as ganhadoras desse ano e saiba mais sobre seus projetos:

http://www.paramulheresnaciencia.com.br/premio-loreal-unesco-abc-para-mulheres-na-ciencia-no-brasil-divulga-as-sete-cientistas-vencedoras/

 

Matéria publicada em 16 de março de 2021, por Webedia.